Uma gre­ve que foi muralha- Bruno Car­valho

Foi a quar­ta gre­ve geral em que par­ti­ci­pei. De todas elas, esta foi, sem dúvi­da, a que teve mais ade­são. Mas tam­bém foi a que teve mais vio­lên­cia. Peran­te a res­pos­ta mas­si­va dos tra­balha­do­res, a bur­gue­sia usou o Esta­do para inti­mi­dar e repri­mir. Usou os jor­nais, rádios e tele­vi­sões para difa­mar a gre­ve geral. No gra­ve con­tex­to em que vive­mos, o com­ba­te que, ontem, se tra­vou deve ser vis­to como uma faís­ca que incen­deia.

Não se pode dizer, con­tu­do, que esta res­pos­ta foi à altu­ra da ofen­si­va capi­ta­lis­ta. Foi à medi­da das pos­si­bi­li­da­des e não das capa­ci­da­des da clas­se tra­balha­do­ra. Isto é o iní­cio e não o fim. O capi­tal abriu uma nova fase na luta de clas­ses e cabe-nos ganhar, pas­so a pas­so, a força neces­sá­ria para derro­tar a vaga neo­li­be­ral e des­mas­ca­rar a social-demo­cra­cia. Daí que quem pen­sar que inva­dir as esca­da­rias ou a pró­pria Assem­bleia da Repú­bli­ca é a solução não per­ce­be nada de tác­ti­ca ou de estra­té­gia. Pior: não com­preen­dem que não é ali que resi­de o poder.

Des­viar a ate­nção do essen­cial e inci­dir sobre o asses­só­rio é gra­ve. Em pri­mei­ro lugar por­que a res­pos­ta gre­vis­ta e a repres­são poli­cial foram des­va­lo­ri­za­das do pon­to de vis­ta mediá­ti­co. Em segun­do lugar por­que a ver­da­dei­ra con­fron­tação de clas­ses se dá onde se dá a explo­ração. Em ter­cei­ro lugar por­que embo­ra a toma­da do poder seja uma ques­tão sem­pre actual ela não está, para já, ao nos­so alcan­ce. Ontem, o que se viu menos nas tele­vi­sões foi a com­ba­ti­vi­da­de dos tra­balha­do­res orga­ni­za­dos à por­ta das suas empre­sas. A cora­gem de quem enfren­ta o patrão, com todos os ris­cos que isso com­por­ta, ficou em segun­do plano.

Hou­ve quem qua­se fos­se atro­pe­la­do nos Oli­vais por um camião do lixo con­du­zi­do por um fura-gre­ve. Em Paço de Arcos, a polí­cia impe­diu a inter­ve­nção dos pique­tes com o recur­so a armas de fogo. Sete carrinhas da polí­cia de cho­que foram mobi­li­za­das para a Mus­guei­ra onde cer­ca de uma cen­te­na fazia resis­tên­cia no chão em fren­te à Carris. Tam­bém ali esta­va o depu­tado comu­nis­ta Miguel Tia­go e tam­bém ele foi arran­ca­do à muralha huma­na pela força. Uma reali­da­de que nega as con­sig­nas de quem, ontem, depois de ten­tar inva­dir as esca­da­rias do par­la­men­to gri­ta­va con­tra todos os polí­ti­cos.

De nor­te a sul do país, hou­ve uma imen­sa muralha huma­na que urge aumen­tar e refo­rçar. Os pró­xi­mos meses serão deci­si­vos e há que des­en­vol­ver acções de luta mais e menos gerais. Temos um caminho a per­co­rrer e obs­tácu­los a ultra­pas­sar. Não inter­es­sa ten­tar che­gar sós ao des­tino quan­do só o pode­mos alca­nçar jun­tos. Há que inten­si­fi­car a luta para que um dia esta muralha se trans­for­me em rio e pos­sa tomar o céu de assal­to.

Artikulua gustoko al duzu? / ¿Te ha gustado este artículo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *