Jor­na­da elei­to­ral his­tó­ri­ca para os bas­cos- Bruno Car­valho

O 22 de Maio de 2011 fica­rá como um impor­tan­te mar­co na lon­ga his­tó­ria de luta e resis­tên­cia do povo bas­co. A coli­gação Bil­du – que o Esta­do espanhol ten­tou ile­ga­li­zar – con­quis­tou o melhor resul­ta­do elei­to­ral de sem­pre para a esquer­da inde­pen­den­tis­ta. Tor­nou-se na pri­mei­ra força, no País Bas­co, em núme­ro de elei­tos, na segun­da força em núme­ro de votos e vai gover­nar qua­se uma cen­te­na de câma­ras muni­ci­pais.

Os núme­ros são escla­re­ce­do­res. Com 99,99 por cen­to dos votos con­ta­dos, obte­ve 1137 elei­tos e um total de 313.151 votos (22 por cen­to), bem aci­ma do melhor resul­ta­do que havia con­quis­ta­do em 1999 com o Eus­kal Herri­ta­rrok. O Par­ti­do Nacio­na­lis­ta Bas­co é a força mais vota­da no con­jun­to dos qua­tro terri­tó­rios com 327.011 votos (22,97 por cen­to) e 881 elei­tos. Só depois apa­re­ce o PSOE com 16 por cen­to e o PP com 11,64 por cen­to. Outras forças inde­pen­den­tis­tas como a Nafa­rroa Bai tive­ram 2,55 por cen­to e a Ara­lar 2,26 por cen­to. A Esquer­da Uni­da che­gou aos 2,43 por cen­to.

Entre as con­quis­tas do Bil­du, des­ta­cam-se Donos­tia (San Sebas­tian). A coli­gação inde­pen­den­tis­ta não só con­quis­tou a capi­tal da Gipuz­koa como arre­ba­tou a maio­ria das câma­ras muni­ci­pais daque­la pro­vín­cia bas­ca. O PP foi, final­men­te, corri­do da ges­tão cama­rá­ria de cer­tas loca­li­da­des onde havia ven­ci­do graças à ile­ga­li­zação da esquer­da inde­pen­den­tis­ta. Em Lizar­tza, que era um des­ses casos, o Bil­du obte­ve 82,87 por cen­to dos votos.

É cer­to que são eleições muni­ci­pais, e forais no caso bas­co, mas estes resul­ta­dos evi­den­ciam o carác­ter anti-demo­crá­ti­co do Esta­do espanhol. A deci­são de ile­ga­li­zar o Sor­tu e a ten­ta­ti­va de ile­ga­li­zar o Bil­du, depois de uma déca­da de suces­si­vos par­ti­dos e coli­gações proibi­dos, demons­tra que se impe­diu a par­ti­ci­pação demo­crá­ti­ca de cen­te­nas de milha­res de cida­dãos bas­cos. Com ou sem apoio à luta arma­da da ETA, o direi­to à expres­são pací­fi­ca foi vio­la­do. Há gen­te pre­sa e tor­tu­ra­da por opi­nar. Há jor­nais e rádios proibi­dos. Há orga­ni­zações juve­nis e de defe­sa dos pre­sos ile­ga­li­za­das.

Se o País Bas­co não vives­se um regi­me de exce­pção, o caminho natu­ral para o PSOE seria aban­do­nar o governo auto­nó­mi­co bas­co e abrir caminho a eleições ante­ci­pa­das. O lehen­da­ka­ri Patxi López sabe que só ocu­pa aque­le car­go, com o apoio do PP, graças à anu­lação dos votos da esquer­da inde­pen­den­tis­ta. Mas o governo que lançou a polí­cia con­tra o seu pró­prio povo não obe­de­ce a outros inter­es­ses senão os do Esta­do espanhol. É, pois, pou­co pro­vá­vel que o faça.

Em relação à espe­ra­nça que se levan­ta no País Bas­co, é impor­tan­te que se refor­ce a luta pela con­cre­ti­zação de um pro­ces­so de paz que con­du­za a uma situação demo­crá­ti­ca que per­mi­ta aos bas­cos deci­dir o seu pró­prio futu­ro. Tam­bém é impor­tan­te que o Esta­do espanhol acei­te aca­bar com a repres­são e dia­lo­gue com a ETA no sen­ti­do da liber­tação de todos os pre­sos. A vitó­ria do Bil­du é uma vitó­ria de todos os tra­balha­do­res bas­cos. Uma vitó­ria não só con­tra a ocu­pação mas tam­bém con­tra o capi­ta­lis­mo.

Artikulua gustoko al duzu? / ¿Te ha gustado este artículo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *