Resu­mo sema­nal da atua­li­da­de na Gali­za- Dia­rio Liber­da­de

Cri­se que não ces­sa e pre­ca­rie­da­de que alas­tra: É neces­sá­ria uma res­pos­ta em for­ma de luta de clas­ses


Resu­mo sema­nal da atua­li­da­de na Gali­za da sema­na de 21 a 28 de Novem­bro de 2010

A Gali­za con­ti­nua a acu­mu­lar con­fli­tos labo­rais e rai­va dos de baxo, com suces­sões de ERE’s, des­pe­di­men­tos colec­ti­vos e pro­tes­tos das víti­mas de uma cri­se que veio impos­ta pelos que mais lucros tiram dela.
Dados ofi­cias demons­tra­ram mais uma vez nos últi­mos dias como a cri­se está a cas­ti­gar com força a Gali­za. Assim, no verao res­gis­tou-se um cres­ci­men­to do des­em­pre­go de 1,7 pon­tos e uma pers­pec­ti­va de des­truição de empre­go sem data de fina­li­zação. As mes­mas ins­tân­cias ofi­ciais acham que em pou­co mais de um ano pode­re­mos atin­gir os 30% de des­em­pre­go.

Mais um dado, des­ven­da­do pela CIG: 25% das pes­soas assa­la­ria­das na Gali­za cobram igual ou menos que o salá­rio míni­mo, enquan­to 1% da popu­lação gale­ga açam­bar­ca 25 – 30% do PIB da nos­sa nação. As des­igual­da­des são trans­pa­ren­tes e gri­tan­tes.

A res­pos­ta sin­di­cal está a ser pou­co mais do que mor­na, com os sin­di­ca­tos de obe­diên­cia espanho­la des­apa­re­ci­dos (CCOO-UGT) e a CIG a ten­tar dina­mi­zar, sem dema­sia­do entu­sias­mo, uma res­pos­ta que lhe per­mi­ta che­gar a con­vo­car uma nova gre­ve geral, esta de carác­ter nacio­nal gale­go. Na quin­ta-fei­ra 18 de Novem­bro, vários milha­res de tra­balha­do­res e tra­balha­do­ras gale­gas saí­ram às ruas das prin­ci­pais comar­cas urba­nas do País con­tra as refor­mas regres­si­vas do capi­tal e dos gover­nos espanhol e auto­nó­mi­co.
As mobi­li­zações nas empre­sas tam­bém se suce­dem: con­tra o ERE de Povi­sa (sani­da­de pri­va­da) que afe­ta­rá 1.200 tra­balha­do­ras e tra­balha­do­res em Vigo; con­tra a repres­são sin­di­cal na recolha do lixo de Ouren­se; em defe­sa do sis­te­ma públi­co de trans­por­te sani­tá­rio gale­go, os des­em­pre­ga­dos na comar­ca do Con­da­do; con­tra os des­pe­di­men­tos na empre­sa de ser­viços Aqua­gest de Beta­nços; por umhas con­dições e um con­vé­nio digno no tele­mar­ke­ting da Corunha; con­tra a mobi­li­da­de forço­sa na admi­nis­tração públi­ca…
Entre­tan­to, o pre­si­den­te espanhol a con­fir­mou nes­ta mes­ma sema­na a sua inte­nção de impor novas refor­mas de cor­te neo­li­be­ral con­tra os direi­tos sociais e labo­rais da maio­ria. Serão 15 refor­mas em 15 meses, se não hou­ver res­pos­ta sufi­cien­te­men­te con­tun­den­te nas ruas.
Con­tu­do, a maior mobi­li­zação da sema­na acon­te­ceu ontem mes­mo, na capi­tal gale­ga: milha­res de pes­soas con­tra as ameaças da Jun­ta da Gali­za, em mãos do PP, de esten­der uma ofen­si­va pri­va­ti­za­do­ra con­tra o sis­te­ma públi­co de saú­de, com a qual Núñez Fei­jó quer imi­tar a sua homó­lo­ga madri­le­na, a ultra-libe­ral Espe­ran­za Agui­rre.
A esquer­da revo­lu­cio­ná­ria gale­ga, nas suas dife­ren­tes «famí­lias», tem demons­tra­do a sua dis­po­sição à luta, mas a sua fra­que­za impe­de-lhe ain­da situar-se à fren­te do movi­men­to popu­lar com os sec­to­res mais ava­nça­dos do mes­mo.
Se as res­pos­tas se limi­ta­rem a fazer de con­ta que se faz, tudo pode­rá aca­bar no des­en­can­to e na derro­ta. Porém, se a apos­ta na luta for real, o povo repon­de­rá posi­ti­va­men­te, com tem demons­tra­do no pas­sa­do. Eis o des­afio a que deve­rá res­pon­der o sin­di­ca­lis­mo nacio­nal e de clas­se, escolhen­do entre ficar sub­me­ti­do aos inter­es­ses elei­to­rei­ros do BNG ou fun­dir-se com os inter­es­ses da clas­se tra­balha­do­ra, essa que, como cen­tral ope­rá­ria, deve repre­sen­tar.
Os pró­xi­mos tem­pos tra­rão a res­pos­ta…

Artikulua gustoko al duzu? / ¿Te ha gustado este artículo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *