Comu­ni­ca­do del comi­te de soli­da­ri­dad con Eus­kal Herria en Por­tu­gal

Comu­ni­ca­do da ASEH sobre a dete­nção de dois supos­tos mem­bros da ETA

Peran­te a notí­cia da pri­são, em Por­tu­gal, de dois supos­tos mem­bros da orga­ni­zação inde­pen­den­tis­ta bas­ca Eus­ka­di Ta Aska­ta­su­na (Pátria Bas­ca e Liber­da­de), a Asso­ciação de Soli­da­rie­da­de com Eus­kal Herria (ASEH) vem aler­tar para o fac­to de haver cen­te­nas de inde­pen­den­tis­tas bas­cos nas pri­sões espanho­las que foram sub­me­ti­dos a méto­dos bru­tais de tor­tu­ra. Este fac­to foi com­pro­va­do pelo Rela­tor da ONU Con­tra a Tor­tu­ra, pela Amnis­tia Inter­na­cio­nal e por mui­tas outras orga­ni­zações de Direi­tos Huma­nos. A extra­dição des­tes dois cida­dãos bas­cos con­fi­gu­ra­ria um sério ris­co para a sua inte­gri­da­de físi­ca e psi­co­ló­gi­ca. Com a pos­si­bi­li­da­de de vio­lação de direi­tos huma­nos, esta opção não pode ser senão rejei­ta­da.

Com fac­tos ain­da por con­fir­mar, a ASEH espe­ra que não se tenha per­mi­ti­do, como acon­te­ce no Sul de Fra­nça e no País Bas­co sob admi­nis­tração fran­ce­sa, a entra­da de forças poli­ciais espanho­las. Isso con­fi­gu­ra­ria uma gra­ve vio­lação da sobe­ra­nia nacio­nal por­tu­gue­sa e uma maior sub­mis­são à estra­té­gia repres­si­va do Esta­do espanhol, depois do acor­do entre os dois paí­ses para per­mi­tir o tra­balho de deze­nas de polí­cias espanhóis no nos­so terri­tó­rio.

A ASEH denun­cia tam­bém o des­apa­re­ci­men­to, há qua­se nove meses, de Jon Anza, no Esta­do fran­cês, em cir­cuns­tân­cias ain­da por escla­re­cer mas que fazem pre­ver o regres­so ao terro­ris­mo do Esta­do espanhol sobre inde­pen­den­tis­tas bas­cos. Duran­te os anos 80, sob o governo de Feli­pe Gon­zá­lez, deze­nas de cida­dãos bas­cos foram assas­si­na­dos por para­mi­li­ta­res a sol­do do Esta­do espanhol.

No pas­sa­do dia 2 de Janei­ro, ape­sar da ameaça de proibição, cer­ca de 50 mil pes­soas mani­fes­ta­ram-se em Bil­bau pelo fim da repres­são con­tra os pre­sos polí­ti­cos bas­cos e pela demo­cra­cia no País Bas­co. Nela par­ti­ci­pa­ram vários par­ti­dos e sin­di­ca­tos. A situação que se vive é lar­ga­men­te igno­ra­da pelos meios de comu­ni­cação social. A repres­são não se aba­te ape­nas sobre mili­tan­tes da ETA. O Esta­do espanhol ile­ga­li­zou deze­nas de par­ti­dos, fechou jor­nais e rádios, proibiu orga­ni­zações juve­nis e proíbe mani­fes­tações.

Con­si­de­ra­mos que deve ser reconhe­ci­do ao povo bas­co o direi­to à auto­de­ter­mi­nação. Cada povo deve poder deci­dir o seu pró­prio futu­ro. Este é um direi­to reconhe­ci­do pelas Nações Uni­das e igno­ra­do pelos Esta­dos espanhol e fran­cês.


Asso­ciação de Soli­da­rie­da­de com Eus­kal Herria

http://​www​.pais​bas​co​.blogs​pot​.com

Artikulua gustoko al duzu? / ¿Te ha gustado este artículo?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *